Influências da Belle Époque na Gastronomia Paraense

A Belle Époque foi um ciclo econômico muito importante para a história do Pará. Ocorreu aproximadamente entre 1870 e 1910. Europeus desembarcaram em nossas terras para fazer a exploração e exportação do látex de borracha. Seu declínio ocorreu por ataque de pragas, diminuição natural do estoque de matéria prima e problemas com mão de obra. 


Ao contrário do que se pensa hoje, a Gastronomia Paraense já chamava atenção de visitantes desde aquela época. Isso não é uma novidade recente. Os paraenses experimentaram queijos, embutidos, vinhos finos, manteigas e outros alimentos que vinham de Portugal, Inglaterra e França para servir os empresários do Látex. Como a viagem de navio era longa demais e contava com a ida e a volta (seis meses em média para cada trajeto) Os europeus tiveram que adaptar-se aos sabores da Amazônia, e, assim, criaram uma aproximação cultural e gastronômica. O bacalhau parecido com o pirarucu, a castanha do Pará similar às nozes, a batata com a macaxeira.


Dos franceses herdamos o hábito de jogar a farinha de longe sem cair um grão sequer no chão, conta-se que as madames gostavam do sabor, mas tinham "nojo" dos nossos alimentos e da manipulação dos mesmo e evitavam tocá-los diretamente. Dos Portugueses herdamos a fritura dos alimentos, especialmente os peixes, pois naquela época o hábito era de fazer assar os peixes na brasa, as cinzas serviam de sal, envolvidos na folha da bananeira para cozinhar e assar ao mesmo tempo.