1/19
Banner Site .png
Buscar

Filhote ao molho de camarão faz sucesso no Ver-O-Peso

Atualizado: 28 de abr.

Prato tipicamente paraense está entre os mais pedidos do Box da Lúcia

Filhote ao molho de camarão (Crédito da foto: Box da Lúcia).

"Quem vem do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Bahia, todo mundo que vem de fora já chega perguntando se tem o filhote." A afirmação da chef Lúcia Torres, proprietária do restaurante Box da Lúcia, localizado no mercado do Ver-O-Peso, em Belém, confirma a voz dos paraenses: um dos mais saborosos peixes da região, o filhote é irresistível.


A fama do filhote vai longe. Ele é o peixe mais procurado por turistas e também pelos paraenses e desafia a criatividade dos chefs.


Tido como um dos peixes mais nobres da culinária amazônica, o filhote é carro-chefe de muitos restaurantes da capital, principalmente em datas comemorativas. "O filhote é um peixe que tem a carne bem macia. Quando a gente frita, é suculento. Na moqueca, ao molho branco ou no tucupi com jambu, fica muito gostoso. Do jeito que fizer, fica uma delícia", explica a chef Lúcia.


Chef Lúcia Torres apresentando o delicioso prato de filhote ao molho de camarão (Crédito da foto: Box da Lúcia).

Apaixonada pela gastronomia do Estado, Lúcia não esconde o amor pelo trabalho e destaca suas melhores criações. "Eu criei um prato que é o “Filhote grelhado com a redução do taperebá e arroz de jambu”. Adoro criar pratos com as nossas frutas, como, por exemplo, taperebá, muruci e cupuaçu. Amo cozinhar, essa é a minha grande paixão", conta.


Entre os pratos mais famosos do restaurante está o “Filhote ao molho de camarão”. O peixe é frito e o preparo do molho leva pimentão, cebola, tomate, pimenta de cheiro, alho, azeite de oliva e cheiro verde refogados por dez minutos junto ao camarão. Segundo a chef, o prato é uma ótima pedida para o Dia das Mães.


Chef Lúcia Torres em seu Box, no Ver-o-Peso (Crédito da foto: Wagner Santana).

Lúcia trabalha há 36 anos com gastronomia, mas foi em 2006 que conseguiu destaque com os pratos que fazia no mercado do Ver-O-Peso. "Comecei a fazer comidas para a cozinha paraense, fui criando vários pratos e cheguei a um patamar maravilhoso na gastronomia. Já fui secretária, trabalhei com compra e venda em lojas, mas minha vocação mesmo é a gastronomia", disse.


Cozinhar cria memórias afetivas, por isso comida de mãe é tão especial. Lúcia sabe da importância da culinária e repassou o conhecimento à filha Luciane. "Eu já ensinei algumas coisas para minha filha. Ela cozinha muito bem."


A chef também dá aulas particulares de culinária e sempre recebe convites para ensinar gastronomia em renomadas instituições de ensino, lojas e escolas de gastronomia da capital.